13/06/2011 a 19/06/2011

Ipuc terá novos laboratórios de pesquisa

O Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica da PUC Minas, unidade ligada ao Departamento de Engenharia Mecânica e ao Instituto Politécnico (Ipuc) da Universidade, teve aprovado três projetos de pesquisa junto a empresas para a instalação de laboratórios para estudo de combustíveis e motores automotivos e de geração de energia. Os investimentos totalizam mais de R$10 milhões, sendo R$ 7 milhões aportados pela Petrobras, R$1,9 milhão pela Vale e Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e R$1,1 milhão pela Cemig Geração e Transmissão. Também estão em fase de negociação aportes da Gasmig em torno de R$ 300 mil. A Iveco e a Fiat Powertrain Technologies (FPT) fornecerão motores de automóveis e caminhões para as pesquisas, cessão em torno de R$300 mil. Os laboratórios serão construídos no prédio 9, no campus Coração Eucarístico, com previsão de funcionamento em dezembro de 2012, como informa o coordenador do Programa, professor José Ricardo Sodré.

Redução de poluentes em motores diesel

Segundo o professor Sodré, os recursos da Petrobras foram motivados pela qualidade e número de pesquisas sobre motores automotivos da pós-graduação em Engenharia Mecânica. Grande parte dos recursos advindos da empresa, obtidos por meio de rede veicular que tem a participação de outras universidades no Brasil, será destinada a equipamentos ultramodernos para os laboratórios. O objetivo, de acordo com o professor, é o desenvolvimento de qualidade de combustíveis e de motores que atentem para a quinta fase das normas europeias para emissão de poluentes, as chamadas Euro 5, que preveem redução de 20 a 80% na emissão de hidrocarboneto, monóxido de carbono e óxido de nitrogênio, presentes nos combustíveis. As normas começam a ser implementadas no Brasil em 2012, e a sexta fase (Euro 6) está prevista para 2016. De acordo com o professor José Ricardo Sodré, as normas devem incluir ainda a redução do dióxido de carbono que, mesmo não sendo um poluente, está relacionado ao efeito estufa e à redução do consumo de combustível.

O professor destaca a importância dessas parcerias, fazendo com que a graduação e a pós-graduação atinjam conceitos ainda mais elevados junto ao Ministério da Educação (MEC), com o envolvimento desses alunos no desenvolvimento de pesquisas e de publicações. "É primordial a cooperação com empresas para se atingir os níveis necessários em cursos que envolvem pesquisa e desenvolvimento tecnológico", ressalta o professor.

Uso do álcool e hidrogênio em motores diesel

Os recursos da Vale e da Fapemig financiam estudos, desde dezembro de 2010, para o desenvolvimento de motores diesel abastecidos com álcool, visando atender a demanda de geração de energia para a Vale e o abastecimento de veículos pesados (motores automotivos e estacionários, como geradores, por exemplo).

Com relação aos recursos disponibilizados pela Cemig Geração e Transmissão, estão sendo desenvolvidas pesquisas, desde janeiro do ano passado, para aplicação do hidrogênio em motores diesel estacionários para a geração de energia. O objetivo é o desenvolvimento de sistema eletrônico para controle de injeção de hidrogênio combustível, cuja equipe, formada por 19 pessoas, já desenvolveu um protótipo, com a participação de alunos de graduação das engenharias Mecânica, Eletrônica, Mecatrônica, Controle e Automação e de Energia da Universidade, além de alunos de mestrado em Engenharia Mecânica.

Gás natural

Ainda de acordo com o coordenador da pós-graduação em Engenharia Mecânica, está em fase de negociação a implantação um sistema de abastecimento de gás natural, financiado pela Gasmig. Também serão desenvolvidas pesquisas relacionadas à reativação do uso do combustível no País, como em ônibus e caminhões de lixo, auxiliando no desenvolvimento de modelos de sustentabilidade.

A Iveco e a Fiat Powertrain Technologies, além da disponibilização de motores de automóveis e caminhões para as pesquisas em geral, também fornecerão equipamentos para abastecimento de combustíveis líquidos para os estudos. 

"Esses projetos iniciarão uma nova fase no Ipuc e projetarão nacional e internacionalmente toda a Universidade. Isso gerará confiança para outras empresas investirem em outras áreas da Universidade que dependem dessa interação, incluindo mineradoras e metalúrgicas, pontos fortes da região", diz o professor José Ricardo Sodré.

09/06/2011


PUC Informa. Editado pela Assessoria de Imprensa da PUC Minas :: (31) 3319-4917 - imprensa@pucminas.br