04/04/2011 a 10/04/2011

Programa foi lançado no São Gabriel

A PUC Minas, por meio da Secretaria de Comunicação, lançou no dia 30 de março o Programa de Comunicação Interna da Universidade, cujo projeto piloto se inicia pela unidade São Gabriel. No Teatro da unidade, estiveram presentes o reitor, professor Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, o pró-reitor adjunto, professor Miguel Alonso de Gouvêa Valle, o secretário de Comunicação, professor Mozahir Salomão Bruck, o chefe de gabinete da Reitoria, professor Paulo Roberto de Sousa, o diretor da PUC Minas Virtual, professor Marcos André Silveira Kutova, a diretora da Faculdade de Comunicação e Artes, professora Glória Maria Itabirano Gomide, o diretor acadêmico da unidade, professor Cláudio Listher Marques Bahia, coordenadores e membros de colegiados, professores e funcionários.

Os grupos de trabalho começarão a se reunir, em datas a serem definidas, para o prosseguimento do diagnóstico em cada setor, a partir de grupos focais já realizados. O objetivo é diagnosticar e entender o fluxo de informações específico para, a partir daí, serem aperfeiçoados os canais e vetores de circulação das informações, como processo de construção coletiva que é a Comunicação Interna.

Durante este ano de 2011, começam a ser desenvolvidas várias ações: a constituição de um Comitê de Comunicação Interna, envolvendo gestores, professores e funcionários da unidade; o lançamento de suportes digitais e físicos de circulação da informação; o diagnóstico dos quadros de aviso; oficinas, estímulo a práticas e fóruns de troca de informações. O resultado concreto é um melhor conhecimento dos agentes – funcionários, professores e alunos – sobre a PUC Minas, sobre o papel de cada um e a importância de todos.

No evento pela manhã, o reitor disse que toda a comunidade universitária precisa entrar em "estado de comunicação permanente", referindo-se à necessidade do envolvimento de todos nesta construção coletiva que é a Comunicação Interna. O reitor explicou que a unidade São Gabriel foi a primeira escolhida para abrigar o Programa devido ao tamanho do núcleo universitário, ao volume das atividades desenvolvidas e à predisposição das pessoas já envolvidas nos processos de gestão por resultados que também se iniciam na unidade. "Não como modelo, mas o São Gabriel poderá inspirar, ser sugestivo em várias necessidades, uma possibilidade de todos nós aprendermos", destacou.

O secretário de Comunicação utilizou o poema Rios Sem Discurso, de João Cabral de Melo Neto (veja abaixo), para sensibilizar sobre a importância e a participação de toda a comunidade no Programa de Comunicação Interna. "O poema diz respeito à vitalidade da água. Na Comunicação Interna, as palavras, os sinais são vitais para nossas relações. Quando a água não faz o caminho, teremos essa palavra em poços", exemplificou. "O curso d’água perdeu sua memória, para num poço e não sabe para aonde vai. É impossível não associar a comunicação em todos os processos de trabalho".

O pró-reitor adjunto classificou o Programa de Comunicação Interna como indispensável e complementar ao novo modelo de gestão por resultados que começa a ser desenvolvido na unidade, chamando à participação todos os membros da comunidade acadêmica interna.

O Programa tem por objetivos: propagar e manter a visibilidade e entendimento da missão, valores, princípios e visão da PUC Minas; divulgar os assuntos de interesse de professores, funcionários e alunos com qualidade, agilidade e tratamento adequado; integrar pessoas, setores e áreas; conscientizar, habilitar e apoiar as lideranças para condução dos processos de comunicação junto aos públicos internos e para o exercício de seu papel no aprendizado contínuo e de valorização das pessoas; estimular a abertura para mudanças e inovações; e estimular uma ação cidadã dos públicos e agentes que estão em permanente relacionamento na PUC Minas.

Rios sem Discurso

Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio de água que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica.
Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma,
e porque assim estanque, estancada;
e mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhuma comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.

O curso de um rio, seu discurso-rio,
chega raramente a se reatar de vez;
um rio precisa de muito fio de água
para refazer o fio antigo que o fez.
Salvo a grandiloqüência de uma cheia
lhe impondo interina outra linguagem,
um rio precisa de muita água em fios
para que todos os poços se enfrasem:
se reatando, de um para outro poço,
em frases curtas, então frase a frase,
até a sentença-rio do discurso único
em que se tem voz a seca ele combate.  

                                                         João Cabral de Melo Neto

01/04/2011


PUC Informa. Editado pela Assessoria de Imprensa da PUC Minas :: (31) 3319-4917 - imprensa@pucminas.br