LADO B POR DENTRO DA PUC Portal PUC Minas CADÊ VOCÊ? GENTE NOVA GERAIS ANIVERSÁRIOS EM DIA COM RH PUC CULT BEM-ESTAR SAÚDE

:: Voltar à primeira página do informativo ::

Mães que trabalham: retorno após licença-maternidade

Depois de 120 dias com o bebê, a mãe precisa se separar do filho recém-nascido e voltar ao trabalho. Esse momento geralmente é acompanhado por sentimentos de insegurança, culpa, preocupação, saudade. Como se dará o processo de separação é crucial para a saúde psicológica da mãe, da criança e da família, explica a professora Giselle Reis Brandão, coordenadora do curso de pós-graduação em Psicologia Organizacional e do Trabalho, do Instituto de Educação Continuada (IEC).

A professora diz que é desejável que a volta ao trabalho seja vivenciada com cuidado e também com objetividade. A mãe precisa cuidar de si própria (além do bebê), respeitando os próprios sentimentos e também o desejo de colocar outras atividades na sua vida. A objetividade está relacionada às questões práticas da vida do bebê, como serão seus horários e quem cuidará dele.

Valquíria Silva, funcionária da Supervisão Administrativa do IEC, ressalta a importância da licença-maternidade para a mãe e para o bebê. “A gente precisa deste tempo”, diz. Depois do nascimento de Maria Isabel, em maio do ano passado, ela conta que chegou a chorar no caminho para o trabalho, mas, com o tempo, se acostumou. “Quando retomei a rotina de trabalho, consegui equilibrar a vida, mas com uma nova atribuição: ser mãe”.

Já Ghyslene Braga, também funcionária da Supervisão Administrativa do IEC, que voltou do período de licença em abril, conta que sente saudade de Bernardo, de seis meses, mas sem culpa ou preocupação, pois sabe que ele está bem cuidado com as avós. “Fiquei preocupada somente nos primeiros dias, pois ele chorou muito e dormiu mal. Mas depois ele sentiu menos a minha falta, então fiquei tranquila”, diz ela. Quanto aos cuidados com Bernardo, tudo foi resolvido com antecedência: inicialmente, a ideia dos pais era colocá-lo na escola, mas compreenderam que a melhor opção seria que ele ficasse cada semana com uma das avós, uma vez que elas tinham disponibilidade e interesse.

Após o nascimento da filha Alice, em julho do ano passado, a funcionária, da Secretaria Acadêmica do IEC Fernanda Curty, queria retornar à PUC para voltar a sua rotina profissional e rever pessoas. Já de volta, se adaptou bem ao trabalho, mas ressalta: “A mente não desliga do bebê”. Mãe e filha começaram a se preparar para a volta ao trabalho algumas semanas antes. Alice ficava com a avó para se acostumar, enquanto Fernanda fazia atividades rápidas fora de casa, como ir ao supermercado. Apesar de o retorno ter sido tranquilo, Fernanda diz que é difícil ficar longe da filha, pois sente saudade e gostaria de acompanhar seu dia a dia mais de perto.

Dicas para voltar ao trabalho depois do nascimento do bebê*:

1 - Planejar esse processo de separação-construção, buscando informações, escolhendo as melhores opções para a sua condição psicológica e familiar. Planejar significa fazê-lo com certa antecedência, para melhor lidar com os imprevistos e escolhas.

2 - Respeitar seus sentimentos, sua condição e a si própria, sendo confiante de que, fazendo a sua parte, as dificuldades serão amenizadas, e os ganhos dessa “separação” vão se tornar mais claros.

3 - Procure se esforçar para estar presente (física e mentalmente) em cada momen-to: tanto no trabalho quanto junto ao filho. Assim, você vai aproveitar melhor cada um deles e permitir que sua ausência possa ser construtiva.

4 - Aproveitar esse momento para repensar sobre o trabalho e o que ele significa para você pode ajudar bastante.

5 - Em caso de amamentação natural, buscar respeitar esse fluxo do seu corpo e buscar conciliar a extração do leite nos horários de trabalho e o seu aproveitamento, se possível, ao chegar em casa. Isso pode fazer bem àquelas mulheres que não querem interromper essa condição.

6 - Nos momentos em casa ou na creche, procure interagir conjuntamente com seu filho e com a pessoa que vai cuidar dele, para que essa convivência seja fortalecida entre os três. Isso vai ajudar no desenvolvimento da confiança, da segurança e da afetividade trocada entre os envolvidos.

7 - Reflita sobre os ganhos que a maternidade trouxe a você e use-os a seu favor no ambiente e nos momentos de trabalho.

*Texto escrito pela professora e psicóloga Giselle Reis Brandão


Funcionária da Secretaria Acadêmica do IEC Fernanda Curty

:: Volta ::

Secretaria de Comunicação | Recursos Humanos