IEC | Pós-graduação lato sensu PUC Minas

número 105 | 15/05/2018 a 15/06/2018

Destaque

Marca pessoal: chave para o sucesso e para a realização

José Albino é coordenador de cursos de Gestão, Mkt e Comunicação
José Albino é coordenador de cursos de Gestão, Mkt e Comunicação

Investir tempo e dinheiro em uma carreira não é sinônimo de sucesso e de realização pessoal. Para que a vida profissional esteja alinhada ao bem-estar e aos seus propósitos de vida é preciso construir um caminho que, muitas vezes, é repleto de obstáculos. A pergunta é como lidar com as tendências do mercado de trabalho e fazer a autogestão da carreira?

Para o professor José Albino, que é coordenador de cursos na área de Gestão, Comunicação e Marketing, “quando conseguimos identificar nosso propósito de vida, tudo caminha com mais fluidez e quando as ações individuais estão alinhadas com este propósito, fazemos escolhas mais acertadas, temos melhor performance na carreira, enfrentamos melhor as adversidades e desempenhamos melhor nosso papel na sociedade”.

Nesta entrevista, Albino fala sobre  realização, competências e marcas pessoais. Confira: 

1. Como o profissional pode avaliar se o que busca profissionalmente está coerente com o que deseja e entende como realização pessoal?

É comum atribuir as desilusões aos empregadores, aos clientes, ao mercado, enfim, a todo o contexto profissional, mas com muita frequência, é o desconhecimento do perfil de carreira que leva os profissionais a buscarem áreas de trabalho, tipos de empresa e modelos de carreira que estão distantes do caminho que suas características apontam.

As técnicas de Coaching, associadas a mapeamento de perfil clareiam estas características para o profissional e ensinam ferramentas que ele pode utilizar para que suas ações profissionais estejam na mesma direção que os valores que norteiam sua autorrealização. Sem um trabalho como este, a tentativa e erro pode custar muito caro, com muitas decepções, que abalam a autoconfiança e fazem muita gente boa desistir de um curso, uma profissão ou um trabalho que poderiam ser uma ótima opção, se eles soubessem explorar o nicho certo.

2. Como o profissional pode verificar se está de verdade no caminho certo de sua competência pessoal?

Os sinais de que uma pessoa está no caminho certo são seus próprios sentimentos de satisfação com o que está fazendo, somado a resultados concretos na direção de suas metas. Trabalhar animado, curtir cada conquista e vislumbrar novas possibilidades diante dos desafios inevitáveis mostram que a atividade profissional é fonte de bem estar. Fazer planos, conseguir concretizá-los e ter a sensação de que está evoluindo no caminho profissional bastam para saber que as competências pessoais estão sendo utilizadas e, com certeza, outras estão sendo desenvolvidas.

Mas as possibilidades de carreira são muitas e atualmente as pessoas desenvolvem carreiras múltiplas, ocupando diferentes funções em variados contextos, por exemplo: ser professor, consultor e empreendedor ao mesmo tempo. Com a diminuição dos postos de trabalho tradicionais, o leque de caminhos alternativos tem se avolumado e isto, muitas vezes, leva o profissional a fazer escolhas sem um planejamento de carreira e sem alinhamento com seus próprios talentos.  

 3. Quais os pontos de atenção para o profissional que deseja imprimir sua marca no mercado e ser diferenciado?

O marketing profissional começa pelo posicionamento pessoal. Conhecer seu propósito de vida, o que deseja construir com seu trabalho é fundamental. Não se trabalha apenas para ter dinheiro. O retorno financeiro, se não estiver alinhado àquilo que tem significado como produção pessoal, torna-se fonte de insatisfação e sofrimento. Sim, há muitas pessoas com uma vida financeira satisfatória e muito infelizes.

Quando conseguimos identificar nosso propósito de vida, tudo caminha com mais fluidez e quando as ações individuais estão alinhadas com este propósito, fazemos escolhas mais acertadas, temos melhor performance na carreira, enfrentamos melhor as adversidades e desempenhamos melhor nosso papel na sociedade.

Então, os pontos de atenção podem ser resumidos assim: conhecer os valores que lhe movem, sua missão pessoal, conhecer seus pontos fortes e fracos (técnicos e comportamentais), saber como utilizar os pontos fortes a seu favor, criar estratégias para lidar com seus pontos fracos e procurar desenvolvê-los. Temperar tudo isto com sua missão, valores e propósito de vida, com certeza tornará você um profissional diferenciado. Os profissionais mais maduros tem mais facilidade de perceber tudo isto. Os profissionais mais jovens precisam ser auxiliados a desenvolver esta visão do caminho a percorrer.

4.  Todos tem pontos a melhorar, não importa o tempo de mercado. Como deve ser essa avaliação do profissional?

Por mais experiente que sejamos, há sempre algo a aprender. Esta abertura para novas aprendizagens é uma característica importante demandada pelas organizações e pelo mercado de trabalho como um todo. Profissionais muito cheios de si, muito vaidosos de suas conquistas acabam perdendo a sensibilidade para detalhes que fazem toda a diferença. Ter disponibilidade para ensinar o que aprendeu é outra característica importante. O conhecimento não pode ficar retido, isto atrasa os resultados e prejudica o desenvolvimento da equipe de trabalho, mas só tem disponibilidade para preparar sucessores, aqueles que tem humildade e sabem que não são insubstituíveis.

A capacidade de autoavaliação profissional constante é, pois, fundamental e, para que ela ocorra de forma realista, os critérios da avaliação deve estar bem definidos, tanto internos, quanto externos, ou seja, critérios baseados no momento e nas demandas pessoais e critérios baseados na atualização constante das tendências do mercado, do cenário do seu trabalho específico, sempre com uma visão de futuro, com tempo para preparar os próximos passos.

5. Quais são as principais mudanças de atitude e comportamento que um profissional deve adotar para mudar o rumo da sua carreira, quando se percebe insatisfeito?

A insatisfação comumente leva a decisões precipitadas e impulsivas. Procurar uma orientação com profissionais especializados é prudente, pois sem reflexão e mudança de atitude a tendência é que a pessoa incorra nos mesmos erros. É necessário traçar um plano de carreira, indagando-se: Onde quero chegar e qual a melhor trilha de desenvolvimento dentro das minhas possibilidades?

São questões comuns entre os profissionais de todas as idades: É melhor investir num intercâmbio de trabalho no exterior ou numa pós- graduação? É melhor tentar novas experiências na empresa onde trabalho ou procurar outra empresa? Estou na área errada ou sou eu que não estou sabendo criar oportunidades? Saber responder a todas estas questões exige um grau de maturidade, de autoconhecimento, de conhecimento do mercado que nem sempre é fácil integrar. 

Boletim produzido pela Assessoria de Comunicação da Diretoria de Educação Continuada da PUC Minas

imprensaiec@pucminas.br | (31) 3131-2824